>

Fernando García Linares

Fernando García Linares desempenha no filme o papel de Guarda civil Juan Álvarez Seco. Fernando nasceu em Toledo (Espanha) e é casado com Sagrario, que, por sua vez, desempenha o papel da Sra. Carmen, a fiel e serena esposa do brigada.

Quando eles propuseram o papel, Fernando não pensou que poderia fazê-lo. Ele estudou Economia e nunca antes na sua vida ele esteve envolvido em algo assim. Mas ele entendeu que era a Nossa Mãe, Nossa Senhora, que pediu, e a Ela não podia e não queria dizer não. Assim, ele entregou-se de corpo e alma ao projeto, unindo-se de coração à oração de toda a equipa durante os dias de filmagens: "Mãe, concede a este filme a tua benção.

O brigada Juan Álvarez Seco foi uma das principais testemunhas das aparições de San Sebastián de Garabandal. Como chefe do quartel de Rionansa, ele seguiu de perto os incríveis eventos que ocorreram na aldeia mais pequena da sua demarcação.

Belén Garde

Belén Garde é de Madrid e estudou ensino. Ela gosta de trabalhar em equipa, onde se destaca pela sua capacidade de comunicação. Embora pareça uma jovem muito extrovertida, o segredo do seu coração pertence a Jesus Cristo.

Belén estava ciente da responsabilidade que assumiu ao aceitar o papel de "Conchita González", uma dos quatro jovens videntes das aparições de San Sebastián de Garabandal, por isso colocou-se desde o primeiro momento nas mãos da Virgem Maria, convencida que este filme era Dela, e que era Ela quem tinha que se manifestar através de tão pobres instrumentos. Para Belém, era fundamental que o horário de cada dia de filmagens girasse em torno da Missa e da adoração eucarística, de modo a não esquecer em nenhum momento porquê e para quem tudo estava a ser feito.

Um dos desafios que Belén e os outros intérpretes dos videntes tiveram que enfrentar em cada gravação foi imitar as posturas e os movimentos das meninas de Garabandal durante os êxtases. Belén experimentou - na primeira pessoa - como essas posturas forçadas acabaram por lhe provocar grandes dores nas costas.

Rafael Samino

Rafael Samino nasceu na Extremadura e tem Toledo como terra adoptiva. Está casado há 27 anos com Esmeralda, que no filme desempenha o papel de Aniceta e tem seis filhos.

Para Rafa foi uma alegria receber a proposta para desempenhar o papel de D. Valentín, pároco de San Sebastián de Garabandal. Desde que ele conheceu Garabandal - antes mesmo de entrar na universidade - ele sentiu uma forte atracção pela sua figura e pelo seu papel nas aparições. Então, desde o primeiro momento, ele sentiu-se muito confortável ao interpretar o papel de pároco da aldeia.

Valentin Marichalar foi, durante as aparições, o pároco de San Sebastián de Garabandal e da vizinha aldeia de Cosío. Estando numa posição difícil, recebeu a notícia dos primeiros êxtases das meninas com dúvidas compreensíveis. No entanto, tentou seguir o curso dos eventos com prudência, interrogou as meninas e recolheu provas e relatórios que enviou prontamente às autoridades diocesanas. Embora sempre evitasse fazer declarações que pudessem interferir com a investigação oficial, ele não pôde evitar de afirmar: "Até agora tudo parece de Deus".

David Cruz

David Cruz é um engenheiro aeronáutico. O Senhor nosso Deus ofereceu-lhe uma voz que é um verdadeiro tesouro e que foi incondicionalmente colocada ao serviço da evangelização. Mas "colocar voz" é uma coisa e outra coisa é colocar uma imagem e saber interpretá-la. Não tinha experiência no mundo do cinema, por isso esperava colaborar com um papel "simples". A surpresa foi quando foi convidado a representar o papel de um dos bispos. Mas não recuou e tentou preparar-se o melhor que pôde. Por outro lado aprendeu importantes lições de vida espiritual que lhe fizeram muito bem.

A sua personagem foi Mons. Lucio Alfaro, personagem de ficção que representa a reação da Igreja na diocese de Santander em relação à notícia dos acontecimentos que estavam a acontecer em San Sebastian de Garabandal. Mons. Alfaro não acreditava que o que está a acontecer na pequena aldeia seja mais do que um "jogo de meninas" que o seu pároco de Garabandal não sabia como fazer parar. Constitui assim uma Comissão de Estudo e, dependendo dos relatórios dessa Comissão, tenta travar a espectacularidade que os eventos estavam a levar.

Javier Paredes

Javier Paredes é casado e é pai de sete filhos. Ama muito Nossa Senhora e, desde algum tempo que estuda e reflete - como historiador que é - o papel que as aparições Marianas estão a ter na complexa história contemporânea.

Quando lhe propuseram participar no filme, aceitou fazê-lo com grande alegria, e por dois motivos: primeiro, porque não tinha sido colocado em toda a sua vida numa aventura como esta; segundo, porque ele achou que era hora de alguém fazer um filme sobre um evento tão importante como o que ocorreu em San Sebastian de Garabandal.

Javier joga "Mons. D. José Ortega », personagem de ficção que não se identifica com nenhum bispo em particular na história de Garabandal, mas que resume a posição oficial da hierarquia entre 1962 e os anos oitenta. O bispo Ortega enfrentará o problema de frente, considerando de antemão que estas aparições eram falsas. Consequentemente, tentará pôr fim aos eventos de forma definitiva e contundente.

Enrique Carrasco

Enrique Carrasco é especialista em informática, casado e pai de quatro filhos. Para ele, este filme foi um "milagre" de Garabandal, feito graças à benção da Nossa Mãe e à profunda unidade que reinou dentro da equipa, apesar das dificuldades sofridas durante os dias de gravação, na qual nem mesmo haviam cadeiras suficientes para que todos se pudessem sentar durante a hora do almoço. Apenas como curiosidade, uma das suas filhas chama-se Teresa, que no filme interpreta o papel de Mari Cruz.

Enrique, por outro lado, interpreta o papel de Dr. Luis Morales, psiquiatra e médico principal da Comissão de Investigação das aparições. Muito seguro de si mesmo e de que a Ciência poderia responder a tudo o que estava a acontecer em Garabandal, manteve por muito tempo uma atitude negativa em relação aos fenómenos. No entanto, a 30 de maio de 1983, durante uma conferência oferecida no Santander Athenae e com a permissão do então bispo de Santander, Monsenhor Juan Antonio del Val Gallo, que também foi membro da Comissão, recuou com a sua anterior descrença, confessando que os seus relatos, foram influenciados pelos seus preconceitos.

Alberto Bárcena

Alberto Bárcena é de Madrid, casado há vinte e seis anos e pai de dois filhos. Tem um Bacharelato em Direito e Doutor em História Contemporânea, e é conhecido pela sua brilhante atividade intelectual e pela profundidade com que realiza as suas pesquisas.

Interpreta no filme o papel de D. Francisco Vergara, um padre excessivamente racionalista, prematuramente fechado ao sobrenatural. Esta personagem não representa uma pessoa real, mas incorpora, de alguma forma, a Comissão designada pelo bispado para estudar os acontecimentos de San Sebastián de Garabandal.

Alberto assumiu o seu papel difícil com simplicidade, embora saibamos que isso custou-lhe muito. Tentou, em todos os momentos, não julgar a sua personagem e enfrentar o seu papel incómodo como um serviço à Nossa Mãe e utilizar esta experiência como um estudo sobre o que realmente aconteceu em Garabandal.

Esmeralda Pérez

Esmeralda Pérez é casada com Rafael Samino que, no filme representa D. Valentín. É mãe de seis filhos e na sua vida profissional trabalha como educadora social. Considera uma honra ter podido participar no filme, colaborando com a Nossa Mãe, Nossa Senhora, e com a divulgação das mensagens de Garabandal.

No filme, Esmeralda representa Aniceta, mãe de Conchita, e para ela tudo isto tem sido uma experiência extraordinária. Com Aniceta, estão representados os pais das quatro videntes de Garabandal com as suas dúvidas, os seus sofrimentos, as suas alegrias, as suas esperanças, e contradições... Esmeralda, uma mãe de família, achou ser muito fácil colocar-se no lugar dela e avaliar bem o seu papel, tão importante, diante dos eventos ali ocorridos.

Aniceta González tinha ficado viúva, vários anos antes do início das aparições. Conchita era a mais pequena dos seus filhos e era a única menina. Tal como nas famílias das outras meninas videntes, Aniceta encontrou-se rapidamente envolvida nos falatórios públicos, sendo criticada, julgada, examinada, e objeto de provocações incessantes... E tudo isso sem saber o que pensar sobre o que estava a acontecer com a sua filha. Sofreu tanto que ela disse pouco antes da sua morte: "Se eu não fiquei louca, é porque Nossa Senhora ajudou-me, porque estava a ponto de enlouquecer".

Manuel Gómez

Manuel Gómez reside em Cuenca (Espanha). É casado com Carmen, que também participou nas filmagens e, entre as suas diversas ocupações, destaca-se como restaurador de obras de arte. De fato, a sua conversão veio da mão de Nossa Senhora, quando estava a restaurar a imagem de um pequeno eremitério. Tinha nessa altura vinte e oito anos de idade.

Nessa altura, ele conhecia a história das aparições de San Sebastián de Garabandal, através de um sacerdote que o ajudou muito durante esse período da sua vida. Por essa razão, ele aceitou com grande entusiasmo quando propuseram-lhe participar no filme, porque desde sempre tinha as mensagens de Nossa Senhora em Garabandal bem presentes no seu coração.

Manuel Gómez desempenha o papel de Pepe Díez, residente de San Sebastián de Garabandal. Durante toda a sua vida, esta personagem conhecia bem as meninas e as suas famílias. Quando soube pela primeira vez sobre aquilo que as meninas lhe disseram a respeito das aparições, ele respondeu com descrença e ameaçou-lhes que a Guarda Civil as levaria à prisão se continuassem a contar mentiras. Mas à medida que se vai envolvendo nestes acontecimentos, começa aos poucos a mudar de opinião, até tornar-se num fiel e decidido defensor das aparições.

Juan Romero

Juan Romero possui um diploma em História e um Mestrado em História Medieval. Ele é casado e é pai de dois filhos. A sua esposa, Cristina, também participou no filme: na frente da câmara, ela desempenhou o papel de uma das aldeãs; e por detrás das câmaras, ajudou a resolver tudo o que podia, apesar dos seus cinco meses de gravidez.

Quando propuseram-lhe participar no filme, Juan experimentou uma explosão de alegria espiritual. Parecia uma ótima maneira de honrar a Virgem Maria e reverter a ignorância de tantas pessoas sobre Garabandal. Ele ficou encantado pela experiência que teve durante a rodagem do filme, pela ajuda óbvia e constante de Nossa Senhora. Ficou espantado pela presença de jovens atores, e pelo fato de apesar de haver tão poucos recursos materiais terem conseguido um resultado tão digno.

Juan deu vida à personagem do padre Ramón Andreu no filme. Este padre jesuíta visitou Garabandal várias vezes durante o verão de 1961, sempre com a permissão do seu superior e do Bispo de Santander. Com a informação recolhida naqueles dias, e apoiada pela sua experiência na difícil tarefa da direção e discernimento espiritual, fez um relatório importante que ele próprio disponibilizou às autoridades eclesiásticas.

Pedro Leal

Pedro Leal é engenheiro industrial e tão pouco teve experiência prévia no mundo do cinema. Todos nós sabemos que a inexperiência é a característica "especial" do elenco deste filme. Ele desempenha o papel do Dr. Puncernau, um prestigioso neuropsiquiatra de Barcelona que estudou as quatro videntes e os fenómenos que estavam a viver. Ricardo Puncernau nos legou um relatório valioso com todas as suas observações, os testes realizados sobre as meninas e as conclusões correspondentes.

Pedro sentiu-se muito identificado com o seu personagem por causa da sua experiência comum no mundo da Ciência. Durante a gravação de certas cenas, o racionalismo do engenheiro tentava analisar todos os fenómenos inexplicáveis que, na história das aparições, eram repetidas diariamente. E, no final, teve que concluir que "a realidade não poderia ser diferente do que as meninas nos disseram". Caso contrário, não há explicação para as caminhadas extáticas das meninas, sem olhar para o chão - quando naquela altura todos os caminhos da aldeia eram um amontoado de pedras – sem tropeçar, sem cair, sem escorregar. Por sua vez, os intérpretes do filme, e mesmo com ajuda e assistência, tinham por diversas ocasiões alguns sustos e até pequenos acidentes.

Miriam Rodríguez de Rivera

Miriam Rodríguez de Rivera foi convidada a participar no filme quando acabou de terminar o seu brilhante primeiro ano de Medicina. Teve pouco tempo para pensar sobre este convite e aceitar significou desistir de muitos projetos e planos de verão. Além disso, ela não conhecia nenhum dos outros intérpretes... Mas, como Miriam ama o Senhor e a Santíssima Mãe, decidiu pegar na sua mala e deixar Las Palmas de Gran Canaria em direção à península, um pouco nervosa, mas cheia de esperança. Graças ao seu bom caráter e à sua decisão de se entregar ao máximo, ela foi perfeitamente integrada na equipa. E como "Deus ama aqueles que dão com alegria" (II Cor 9, 7), a experiência não só não a decepcionou, mas reconhece também que foi extremamente enriquecedora.

Miriam interpreta no filme o papel de Jacinta González, uma das quatro videntes de San Sebastián de Garabandal. Jacinta, junto com as suas amigas - Conchita González, Mari Loli Mazón e Mari Cruz González - viu pela primeira vez o Arcanjo San Miguel em São Sebastião de Garabandal, a 18 de Junho de 1961. O Arcanjo São Miguel preparou as quatro videntes através de várias aparições e no dia 1 de Julho de 1961, anunciou que no dia a seguir iriam ter a visita de Nossa Senhora. Foi assim, de fato. Após essa primeira aparição, estima-se que ocorreram mais de dois mil êxtases, em torno dos quais milhares de testemunhas se reuniram. Para se apresentar, Nossa Senhora usou um título bem significativo em Garabandal: "Eu, vossa Mãe...". E, certamente, sempre mostrou-se como uma mãe cheia de amor pelos seus filhos e preocupada com a sua salvação. Daí o seu chamado a amar mais Jesus na Eucaristia e o seu pedido de que sejamos bons, e que meditemos sobre a Paixão e nos sacrifiquemos mais.

Teresa Carrasco

Teresa Carrasco é de Madrid e estudante de Filosofia e Teologia. No filme, ela desempenha o papel de Mari Cruz González, a mais jovem das quatro videntes de San Sebastián de Garabandal.

Desde o primeiro momento, Teresa entendeu que assumia uma grande responsabilidade, porque "Garabandal, só Deus sabe" não é apenas um qualquer filme, mas uma forma de escutar Nossa Senhora e a sua mensagem de conversão. Durante as gravações, ele experimentou a urgência de saber mais sobre Nossa Senhora, unir-se mais a Ela, falar e estar mais perto Dela. Tudo isso para transmitir - de alguma forma - o que as meninas viviam durante os êxtases e sobre o que Nossa Senhora queria dar a conhecer em Garabandal: que ela é Nossa Mãe, uma Mãe cheia de amor pelos seus filhos.

Tudo o que experimentou durante os dias intensos de gravação significou para Teresa uma autêntica revolução espiritual. Se antes lhe custava colocar Nossa Senhora na sua vida de fé, esta experiência permitiu que ela descobrisse Nossa Senhora como Mãe e como Rainha. Ela sabe que esta Mãe confia plenamente nela e defende o seu relacionamento com Deus. E ela também sabe que essa Rainha exige tudo, e Teresa não pensa em negar-lhe nada.

Blanca Cogolludo

Blanca Cogolludo desempenha o papel de Mari Loli, uma das quatro jovens videntes de San Sebastián de Garabandal. Este projeto apanhou-a no início dos seus estudos em Arquitectura, e ela decidiu aceitar este desafio de forma encantada. Uma aventura emocionante foi apresentada diante dela, cujo propósito era divulgar os acontecimentos de Garabandal e as mensagens que Nossa Senhora quis dar a conhecer. Valeu a pena enfrentar o desafio! Ela teve a oportunidade de conhecer testemunhas que viveram naqueles dias as aparições na primeira pessoa, e isso ajudou-a a interiorizar a personagem que interpretava.

Para Blanca - para toda a equipa - era evidente que, sem a ajuda e a intercessão de Nossa Senhora, não teria sido possível fazer nada do que fizeram e que o projeto estaria paralisado quando surgiram as primeiras dificuldades... E não foram poucas as dificuldades que surgiram! No entanto, uma equipa de pessoas com uma grande capacidade de entrega e sempre colocando tudo nas mãos da Nossa Mãe do Céu, conseguiu-se o que parecia impossível, tornando os dias de gravação numa experiência inesquecível.